Trabalho de Crenças: por que fazer?

Outro dia, falando sobre a desconstrução de uma crença minha para uma pessoa, ela me deu o feedback me dizendo que eu elaborava demais sobre aquelas questões e, dessa forma, da próxima vez que eu passasse por aquela situação, iria já começar a me sentir mal, porque eu estaria criando crenças negativas ao pensar sobre aquilo. Para essa pessoa, eu estava “pensando negativo” por refletir e dividir com ela sobre algo que me era desconfortável. Expliquei para essa pessoa eu elaboro bastante, sim, mas não uso meu precioso tempo pensando nas coisas para criar crenças negativas. Isso seria um tanto quanto improdutivo. Na verdade, jogar luz nas minhas crenças negativas é fazer um trabalho de crença. Esse trabalho serve, ao menos na minha vida e de algumas pessoas que eu conheço, para ter mais consciência das crenças negativas que nos limitam e substituí-las por crenças produtivas e construtivas. O que é esse trabalho? Esse é um trabalho de autoconhecimento. Ninguém pode fazer esse trabalho no seu lugar. Todas as curas que são decorrentes desse trabalho são vividas exclusivamente pelas pessoas curadas. Claro que todo o Mundo é beneficiado pela cura de uma irmã ou irmão, mas isso depende da iniciativa de cada indivíduo. Por essa razão, a técnica ou não técnica utilizada para fazer esse trabalho é totalmente indiferente, tanto faz qual é a técnica, o importante é sempre estar descobrindo nossos próprios limites e supera-los de acordo com nosso caminho. Por onde começar? O mais importante é saber que nossas escolhas moldam nossa realidade e elas podem ser feitas estando nós conscientes ou inconscientes delas. De acordo com essa linha de pensamento, a... ler mais

Auto-cura com amor

A maior parte das pessoas que vive em sofrimento, ao menos ao meu ver, não está preparada para curar as feridas profundas internas. Não julgo ninguém e até me incluo nessa, já que o processo de autocura pode doer – e muito – afinal, é nesse processo que resgatamos sofrimentos do inconsciente, para jogar luz neles e, assim, podermos ser íntegros. Tem um filme que explica bem o chamado “Efeito Sombra“. Estou falando de feridas emocionais e psicológicas, mas que podem, de alguma forma, se tornarem físicas. Estou convicta que essa sensação de que só se aprende na dor nada mas é do que apenas uma crença. Frequentemente me pego dizendo “a vida não é fácil mesmo”, “a gente só aprende na dor mesmo” e outras coisas do tipo. São crenças que eu sei que carreguei até aqui, mas elas não têm mais propósito pra mim. Eu resolvi me desapegar delas, porque afirmar que os processos curativos são, necessariamente, dolorosos, me limita. Nas entrelinhas da crença que me curar sempre será doloroso, percebo que também há a crença de que eu não consigo manter minha vibração elevada o tempo todo. Sei do potecial que todos têm de aprender com a vibração do amor. Auto-cura com amor, e não com dor Como mudar essa crença, então? Como eu posso deixar a crença de que meu processo de cura deve ser dolorido e passar a ter convicção de que podemos nos curar com amor? E é nesse desafio que me deparei. Como faz pra marcar a ferro e fogo algum obstáculo superado? Como meu corpo sentirá que foi curado, sem fortes emoções? Foram esses questionamentos que fizeram com que eu, rapidamente, me desse conta de que não é o sofrimento em si que me... ler mais

Ao meu sobrinho, Lucca

Eu tinha apenas nove anos quando você nasceu, em 18 novembro de 1997. Hoje você completa 18 anos. Você foi recebido, desde a barriga de sua mãe, com amor e felicidade. É uma honra enorme ter você completando nossa família. Começo agradecendo sua presença em nossas vidas: gratidão! Lá em 97, você foi nos visitar no Rio de Janeiro com seus pais, com apenas algumas semanas de vida, talvez, não me lembro direito. Com o tempo, o amor se consagrou. Os anos foram passando e logo virei adolescente, depois uma jovem adulta e hoje, aos quase 28, uma adulta que não sabe nada sobre a vida. As poucas coisas que eu sei são sobre mim mesma e é apenas isso que posso tentar passar pra frente. Não estou pronta, já que falho todo dia e assim que eu aprendo coisas novas. E é sobre isso que eu queria te falar, Lucca. O tempo vai passar e, esperto como é, você vai saber que idade não significa nada ao menos que suas experiências sejam intensas, que você siga seu coração, que você encontre seu propósito mais elevado e gire sua vida em torno disso. O melhor desse caminho é que ele só depende de você, do seu compromisso com sua felicidade, seu foco e seu esforço. As pessoas podem ajudar ou atrapalhar em suas metas, mas só a forma que você lida com infortúnios define sua prosperidade. Ah, e isso não é sobre ter sucesso e dinheiro. Diferente do que transmitem pra gente desde pequenos, você não precisa ser ninguém específico, nem ser famoso, nem tão estudioso (seu pai vai... ler mais

Perdão: exercício para perdoar e ser mais feliz

Um exercício para praticar o perdão: ame a pessoa incondicionalmente e coloque na balança se os defeitos são toleráveis ou não. Seja como for, faça tudo com amor, nunca com raiva, sede de vingança. Esse é um exercício muito bom de se fazer para curar feridas e perdoar. Lembrando que embora seja um exercício de perdão e pareça que o outro é o mais importante, na verdade o praticante é 100% responsável pelo sucesso. A outra pessoa nem precisa mais estar viva! Pode ser feito para perdoar um companheiro ou companheira, pais, irmãos, amigos, ou qualquer pessoas com um laço afetivo. Talvez funcione com pessoas sem laço afetivo, mas nunca tentei. Você também pode fazer para perdoar você mesm@. Faça esse exercício para tomar consciência de suas mágoas para ter a oportunidade de encaminhá-las a gaveta certa, ou seja, fazer o que estiver no seu alcance para resolver a questão. Perdão: um alívio para quem perdoa Sente-se ou deite-se de olhos fechados após ler com atenção essas orientações e siga da forma que mais combinar com seu momento. Essa é apenas uma ideia, inspiração. Respire… preste atenção à respiração e tente diminuir o ritmo. Tenha compaixão e pratique o perdão Tenha em mente viver o agora, estar presente de corpo e alma, sempre que se pegar no passado e no futuro, volte para o presente. Mesmo que tenha que trabalhar uma dor específica fora do presente, volte assim que puder para o aqui e agora, não se perca. Procure praticar o não julgamento e o desapego, pratique o perdão, a compaixão e o amor incondicional. Para iniciar, diga as... ler mais

A Vida me Chamou – Forfun

Estou me preparando para escrever mais textos, mas enquanto isso, vou fazendo mais posts da categoria Catarses. Hoje, mais uma vez, vou falar sobre uma música do Forfun. Essa música, A Vida Me Chamou, é do último álbum deles (Nu) e me tocou muito profundamente. Ela é relativamente simples, com duas estrofes e um refrão, mas diz muito sobre minhas ideias sobre a vida. Vamos lá: A Vida Me Chamou – Forfun A Vida me chamou, eu vim Avisa que eu só vou no fim (Na maioria das linhas espirituais que já vi, nós estamos nessa vida por alguma razão bem específica, para cumprir uma missão. Quando escuto isso, ‘a vida me chamou’, é exatamente isso que me passa pela cabeça. Por isso, por mais óbvio que pareça a frase “avisa que eu só vou no fim”, para mim é muito mais profundo, porque eu interpreto como uma pessoa bem decidida e batalhadora a que está falando isso, que não vai desistir no meio do caminho, que vai seguir até o fim de cabeça erguida. Além disso, não é apenas seguir vivo, mas viver de verdade. Abraçar os desafios, assumir a responsabilidade pelas próprias atitudes, não se fazer de vítima e tentar ser, como diz um cara que eu adoro, a melhor versão de si mesm@. Para isso, um trabalho de autoconhecimento é extremamente essencial.) Vamo lá, ahora estamos acá Solto que nem flecha de índio sem cocar (Fiz uma pequena pesquisa e a primeira coisa que me veio é uma frase de Saulo Cunha, “Um índio sem cocar, ou até mesmo sem penas, é um índio em aprendizado”. O... ler mais
Página 2 de 4812345...102030...Última »

Quando eu escrevo, exponho meu ponto de vista. Minha leitora ou meu leitor não necessariamente concorda comigo e, na verdade, concordar ou não é o que menos me importa.

Quando escrevo, estou fazendo uma terapia. Estou tirando algumas conclusões de assuntos que muitas vezes são inconclusivos. Conclusões essas que posso expandir ou até mudar a partir de uma nova informação ou experiência. Quando escrevo, estou racionalizando meus processos de autoconhecimento e conhecimento do mundo.

Quando eu disponibilizo o que estou escrevendo para que as outras pessoas possam ler, gostaria que elas refletissem sobre esse mesmo assunto e, a partir de provocações dos meus textos, criassem questionamentos internos. Esse é meu objetivo ao compartilhar.

Melhor ainda, pra mim, que sou escritora, é que quando um texto meu toca tanto uma pessoa que ela tem vontade de compartilhar o que também está pensando e faz comentários com suas visões, perguntas ou até mesmo críticas.

Escrevo desde que me lembro e tenho um espaço online (desde 2009 é o Gabitopia), desde dezembro de 2005.

Meu caminho é da alegria e da conexão com meu verdadeiro Eu, tentando sempre me manter no olho do furacão.

Sou grata!

Encontre-me:

Nesta categoria, você encontrará textos sobre minha experiência com a espiritualidade. Como um Ser em evolução, faço aqui as reflexões sobre como me conectar com meu Eu superior e como posso ser uma pessoa melhor no meu cotidiano com minha família, amigos, desconhecidos e nas relações profissionais.

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.
Estilo de Vida

Esta categoria é muito mais genérica e estão os textos sobre comportamento, vegetarianismo e outras reflexões sobre o meu estilo de vida ideal.

A categoria mais antiga do blog! Em Crônicas você pode ler todos meus textos cheios de aventura, romance, reflexões e, claro, muito beijo na boca. Tudo escrito com muito carinho, cada crônica escrita no tom e no ritmo que achei coerente para o tema.

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.
Catarses

A categoria mais nova do site, criada em Julho de 2015.  Segundo Aristóteles, a catarse diz respeito à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama. Neste espaço exponho porque eu me sinto purificada com algumas obras artísticas, por exemplo: músicas, longas ou curtas ou artes plásticas.

Em Matérias, publico os textos jornalísticos que produzo de forma independente e livre. Os temas são os mais diversos, inspirados nos últimos acontecimentos ou de temas que são relevantes para mim. Alguns materiais são da época da faculdade em que guardo com muito carinho toda aprendizagem dessa importante fase da minha vida.

Essa categoria foi criada após eu conhecer o campo da manipulação de energia com o objetivo de curar minhas feridas emocionais e fisicas, sanando-as e desobstruindo meus centros de energia para que eu possa cumprir minha missão de forma mais saudável, feliz, em paz e com gratidão. Aqui compartilho o que aprendo.

Gabriela Pagliuca

Meu ofício é escrever. Escrevo para o Gabitopia há 10 anos e, depois que me formei em Jornalismo, passei a escrever para organizações, colaborando no marketing digital de empresas e ONGs, com conteúdo relevante que envolva o público e engaje os clientes. Na sessão "profissional" você encontra a descrição dos meus serviços.

Envie uma mensagem preenchendo o formulário: